Uncle Acid - The Night Creeper (2015): Ode à repetição.


Ode. Uma composição poética do gênero lírico que se divide em estrofes simétricas. Essa é a definição de ode.
O Uncle Acid, que aparentemente abandonou os Deadbeats do seu nome, levou ao extremo o conceito de simetria.

UM REMÉDIO GENÉRICO

O rock é um santo remédio para o tédio (ou para o cansaço, como prefere dizer o pessoal do Casa das Máquinas).
Entretanto The Night Creeper é um remédio genérico. É a mais pura fórmula do Black Sabbath, só que sem a genialidade dos mesmos.

Não condeno uma banda por querer emular Black Sabbath. Os caras são umas lendas e é natural que isso aconteça. Apenas isso não quer dizer nada.

O problema é que o Uncle Acid se arrasta por 50 minutos usando composições extremamente parecidas entre si. O único ponto fora da curva é o instrumental Yellow Moon. Um raro momento que não é o suficiente para melhorar o cenário.

HÁ ALTOS E BAIXOS, E ENTRE ELES?

Tédio e monotonia. Talvez mais monótono do que meus textos (ok, eu exagerei agora). Mas o grande problema desse álbum é a falta de variações.

O disco vai por um terreno muito seguro, sem correr riscos. Veja Murder Nights, por exemplo... Ela começa com um poderoso riff que se repete ao longo de praticamente toda a música. Na sequência vem Downtown, com a estrutura rigorosamente igual: Um poderoso riff que se repete ao longo de praticamente toda a música.

Agora pegue Pusher Man. Você vai encontrar um poderoso riff que se repete ao longo de praticamente toda a música.
Tô sendo meio repetitivo, não? Pois é... É assim que você se sente ao ouvir The Night Creeper.
“No começo você pensa... Pô, legal esse começo, o riff é daora. No final seu sentimento será... Mano, vai repetir essa porra de riff de novo?!”

LETRAS E DESTAQUES

Para não dizerem que eu só desmoralizei o álbum, as letras são bem legais. Geralmente são temas obscuros, envolvendo histórias de crimes e assassinatos.

O clima do álbum é de uma história de terror, e de fato, ao ouvir sua sonoridade, mais a capa retrô, você se sentirá andando pelas ruas de Londres, em meio à gravação de um filme de terror classe B.

Melody Lane é a melhor música, vale a pena dar uma conferida no clipe, basta clicar aqui. A ambientação dele e a música ao fundo farão você se sentir o próprio Jack (the Ripper).
Inside, Slow Death e Murder Nights são outras faixas que valem a audição, pelo menos uma vez. Não há nada especial, mas se salvam.

VOLTANDO À SIMETRIA

Bem, já que comecei falando de simetria, preciso terminar assim, para ser minimamente coerente (e simétrico).

Os Engenheiros do Hawaii, em 1990, fizeram a bizarrice de gravar uma música chamada Perfeita Simetria, e nela, eles usavam a base de um dos seus maiores hits, O Papa é Pop, alterando apenas a letra.

É mais ou menos isso que o Uncle Acid fez com relação ao Black Sabbath. Uma perfeita simetria. O resultado foi tão bom quanto a fatídica música dos Engenheiros do Hawaii.
Julgue isso como preferir...

Her face lit up under yellow street light; with eyes of fear as she caught me in sight. I won't hurt her, but she knows that I might; I want her.

----------------------------------------

FICHA TÉCNICA:
Artista: Uncle Acid
Ano: 2015
Álbum: The Night Creeper
Gênero: Heavy Psych
País: Inglaterra
Integrantes: Dean Millar (baixo), Itamar Rubinger (bateria), Kevin Starrs (vocal e guitarra), Yotam Rubinger (guitarra).

MÚSICAS:
1 - Waiting for Blood
2 - Murder Nights
3 - Downtown
4 - Pusher Man
5 - Yellow Moon
6 - Melody Lane
7 - The Night Creeper
8 - Inside
9 - Slow Death



----------------------------------------


Quem usa o Google Plus?

Sobre o Rock em Balboa

Depois de anos de estudo e dedicação à engenharia, percebi que era tudo um grande pé no saco. Joguei as coisas pro ar e fui para a ilha de Balboa (pode procurar no Google, ela existe!). Agora fico deitado na rede e ouço rock o dia todo.

0 comentários :

Postar um comentário