Ghost - Meliora (2015): A estética supera o conteúdo?


Falar do Ghost é pisar em ovos. É falar de uma banda cultuada por muitos e odiada por outros tantos. É falar de uma banda polêmica por princípio (afinal, satanismo nunca sai de moda).

O POLÊMICO É POP

E essa filosofia de “falem mal, falem bem, mas falem de mim” parece que vem dando certo. Apenas para exemplificar, alguns números: Meliora atingiu o oitavo lugar na Billboard dos Estados Unidos, primeiro lugar na Suécia, primeiro na Finlândia, segundo na Noruega... Relevante, não?
Mas será que todo esse frenesi é justificável? Meliora realmente é tudo isso?

Com o terceiro lançamento em sua discografia, Meliora regressa à sonoridade de Opus Eponymous, primeiro trabalho dos suecos.
O ar teatral remete ao Alice Cooper, a levada quase pop lembra muito Blue Öyster Cult, e as letras invocam todo o satanismo de Mercyful Fate.

Por toda essa mistura de influências, é difícil rotular o Ghost. Heavy metal, talvez? Mas e levada pop? Hard rock? Vejo essas dúvidas como algo muito positivo. Se há uma crítica que nunca poderá ser feita com relação à Meliora e ao conjunto, é com relação ao fato de eles não inovarem. Ghost é inovação pura e não há nada parecido com eles.
“Um heavy metal pop teatral cria um terreno fértil para pseudo-adoradores do capiroto. O Ghost é o paraíso do revoltado que xinga Jesus, mas tem medo de O Exorcista. É para o ateu que critica católicos, mas que acha Behemoth muito pesado.”
Fãs do Ghost no site RYM, tentando rotular Meliora em algum gênero conhecido. Tarefa ingrata.

NÃO É SÓ UM SOM

Entretanto, apesar da inovação musical, o grande passo à frente que o Ghost deu foi na questão estética. A banda é formada por um vocalista que se intitula Papa Emeritus III (no disco anterior era o Papa Emeritus II, e no primeiro o I, mas todos são a mesma pessoa – muda apenas a caracterização do personagem), e os outros integrantes são os Nameless Ghouls.

Todos se apresentam fantasiados e mascarados, sendo que ninguém sabe até hoje quem são esses músicos. Além disso, a temática é explicitamente satânica, como declarado pelos próprios membros.
Grande sacada. Artificial ou não, quer cenário mais fértil para misticismo, lendas, mistérios e boatos? Satanistas mascarados, sem identidade, cantando cultos religiosos de maneira afinada e sem urros. É a estética perfeita para um gênero cansado de mais do mesmo.

E foi trabalhando em cima dessa estética que o lançamento de Meliora foi traçado. Primeiro com um vídeo promocional em que uma senhora já de certa idade anuncia a ascensão do Papa Emeritus III, posteriormente ela fala que as sombras vão reinar e decide revelar um segredo. Quando começa a falar do segredo, uma mão surge por trás dela, tudo fica preto, e entra um poderoso riff. Oh!

Pode soar infantil ou babaca, mas isso foi fantástico em termos de marketing e divulgação do disco.

O KISS DO SÉC. XXI

Outras ações como as vestes do novo Papa e o vídeo clipe de Cirice aumentaram ainda mais as expectativas. No final, quando o álbum saiu, o conteúdo já nem era mais relevante.

O Ghost conseguiu fazer o que bandas como o Kiss faziam no passado. Vender a imagem, e não o conteúdo.
Mas, isso é ruim? Não, não é! É louvável. Música é muito mais do que apenas o sentido da audição.

A abertura de Meliora, com a faixa Spirit, não corresponde às expectativas. É uma música bem meia boca. A coisa melhora com From the Pinnacle to the Pit, mas é na terceira faixa (Cirice) que o Ghost mostra sua melhor forma. E é só.
O álbum todo é bastante consistente. Não tem nenhuma música que seja ruim ou esteja fora de contexto. Entretanto, faltam momentos que impressionem. Cirice é o único ponto fora da curva.
A capa do single Cirice, vai dizer que você não lembrou de O Silêncio dos Inocentes?

Convenhamos, falar de apenas uma grande música é pouquíssimo para todo o frenesi envolvido em Meliora.
Lógico que existem outros bons momentos (como disse, o álbum é consistente). Destaco He Is com sua levada pop melódica gregoriana, e a gutural Mummy Dust, de riff poderoso e refrão forte. Mas são apenas momentos. Não é algo que marca.

MELHOR NA FOTO

Por isso mesmo, tenho convicção em dizer: A estética se tornou mais relevante do que o conteúdo. O Ghost depende muito mais dela.
Meliora é um bom álbum, mas não é a obra prima que pintam por aí. Longe disso.

The world is on fire; and you are here to stay and burn with me. A funeral pyre; and we are here to revel forevermore.

----------------------------------------

FICHA TÉCNICA:
Artista: Ghost
Ano: 2015
Álbum: Meliora
Gênero: Heavy Metal
País: Suécia
Integrantes: Nameless Ghoul (guitarra), Nameless Ghoul (guitarra), Nameless Ghoul (baixo), Nameless Ghoul (teclado), Nameless Ghoul (bateria), Papa Emeritus III (vocal).

MÚSICAS:
1 - Spirit
2 - From the Pinnacle to the Pit
3 - Cirice
4 - Spöksonat
5 - He Is
6 - Mummy Dust
7 - Majesty
8 - Devil Church
9 - Absolution
10 - Deus in Absentia



----------------------------------------


Quem usa o Google Plus?

Sobre o Rock em Balboa

Depois de anos de estudo e dedicação à engenharia, percebi que era tudo um grande pé no saco. Joguei as coisas pro ar e fui para a ilha de Balboa (pode procurar no Google, ela existe!). Agora fico deitado na rede e ouço rock o dia todo.

0 comentários :

Postar um comentário