Pantommind - Searching for Eternity (2015): Para alegrar hipsters.


Vamos aos fatos...
Primeiro: O Pantommind é uma banda búlgara. Cara, quantas bandas da Bulgária você conhece? Eu não conhecia nenhuma. Só isso já os torna bem distintos.
Segundo: Eles tocam metal progressivo. Tá, ok, isso não é lá muito hipster, metal progressivo está bem na moda. Mas não se esqueça que eles são da Bulgária!
Terceiro: Esse disco foi lançado após uma pausa de seis anos na carreira da banda, porque o baterista resolveu se dedicar à carreira de pintor surrealista. É isso mesmo, aquelas pinturas estilo Van Gogh, saca?

ENTÃO ESSES CARAS SÃO DEMAIS!

Sim! São! Búlgaros, pintores surrealistas, e rotulados como metal progressivo. Quer mais o que? Pode curtir o grupo no Facebook, e mostrar pros seus amigos como você é cult.

Pronto. Aqui acaba a resenha de Searching for Eternity, se você for um hipster. Nota 10, melhor disco do ano, épico, genial. Abaixo farei apenas alguns comentários técnicos e irrelevantes. Pode parar por aqui.

VAN GOGH ESTAVA CERTO

Bem, na verdade o que eu escrevi acima foi bastante irônico (é bom deixar claro, caso não tenha percebido). Li várias resenhas na internet sobre o Pantommind e todos exaltavam muito a banda pelos fatos peculiares acima citados, mas quase não falavam da música deles.
Poxa, e eu achando que em uma resenha de música, o assunto mais relevante é a música! Os outros fatos são interessantes, concordo, mas não passam de curiosidades.

Voltando a falar do Van Gogh, eu sempre tive vontade de entender o motivo dele ter cortado a própria orelha. O que levaria alguém a cometer tal ato de loucura extrema? O que ele sentia para chegar nesse ponto?
Depois de ouvir Searching for Eternity entendi o que se passava na cabeça dele. Eu também tive vontade de arrancar a minha orelha fora! Que sonzinho ruim.

A única coisa que eu ainda não consigo explicar foi o porquê de ele ter entregado sua orelha a uma prostituta. Confesso que essa vontade eu não tive. Mas, cada louco com sua mania.
“Alguns dizem que foi sua loucura, potencializada após uma briga com seu amigo Gaughin. Outros dizem que foi culpa do absinto! Já eu, acho que Van Gogh cortou a orelha porque ouviu Pantommind.”
Trevor, um hipster e ilustre fã de Pantommind.

DIFÍCIL DE EXPLICAR

Como quando você observa uma pintura surrealista, em que é difícil explicar o que você vê e sente, Searching for Eternity causa um efeito semelhante. Não agrada, mas é difícil de explicar o motivo de ser tão ruim.

Por isso mesmo eu insisti com o álbum mais umas três vezes, mas quanto mais eu insistia, pior ficava.
O primeiro ponto, e mais evidente, é que ouvi-lo de cabo a rabo é muito cansativo. Há algumas razões para isso acontecer, e a principal delas são: Falta de variação rítmica e o excesso de compressão dinâmica da gravação.

Além disso, o vocalista não deu liga. Por exemplo, a música de abertura (Not for Me), até começa interessante, um bom riff e o teclado compondo bem a melodia. Mas em certos momentos o vocalista simplesmente desiste de cantar e começa a gritar. O refrão, então, é todo gritado e fica insuportável. Fazendo um trocadilho infame com o nome da música, definitivamente isso não é para mim.

Instrumentalmente também não há muitos destaques. Um ou outro ponto positivo, como por exemplo, a introdução de Walk On ou os dedilhados em Searching for Eternity. Mas é só. Todo o resto soa bem genérico e repetitivo.

Lost Lullaby é a única música sem gritaria e com um instrumental mais diferenciado. Quase toda acústica e mais suave, ela é o destaque positivo do álbum. De resto não dá pra salvar mais nada.

DICA DE PRESENTE

Apesar de tudo, Searching for Eternity tem suas utilidades.
Ele é um ótimo presente para dar ao chefe ou à sogra. Se você tiver um amigo hipster então, vixi, pode ir na fé que vai ser sucesso. Pantommind é o presente ideal para ele!
Caso contrário, não perca seu tempo.

As we stand here in the moonlight; tell me the story of your life. Of your soul, is there any light? Tell me about your pain.

----------------------------------------

FICHA TÉCNICA:
Artista: Pantommind
Ano: 2015
Álbum: Searching for Eternity
Gênero: Metal Progressivo
País: Bulgária
Integrantes: Dragomir Minkov (bateria), Floyd Rossen (guitarra), Pete Christ (teclado e baixo), Sunny X (teclado), Tony Ivan (vocal).

MÚSICAS:
1 - Not for Me
2 - Moon Horizon
3 - Walk On
4 - Lost Lullaby
5 - Angel
6 - Hypnophobia
7 - Down to the End
8 - Tell Me
9 - Searching for Eternity
10 - Heart
11 - Lost



----------------------------------------


Quem usa o Google Plus?

Sobre o Rock em Balboa

Depois de anos de estudo e dedicação à engenharia, percebi que era tudo um grande pé no saco. Joguei as coisas pro ar e fui para a ilha de Balboa (pode procurar no Google, ela existe!). Agora fico deitado na rede e ouço rock o dia todo.

0 comentários :

Postar um comentário