Phil Taylor, homens mortos contam histórias...


Phil não foi o primeiro baterista do Motörhead. Também não foi o último. Mas ele quem comandou as baquetas no período mais marcante da banda.
Presente em álbuns clássicos, como Overkill, Bomber, e Ace of Spades, Phil faleceu no dia 11 de novembro, por causas ainda não divulgadas.

Sua pegada forte e veloz lhe rendeu o apelido de Phil, o animal. Ele foi pioneiro no uso de bumbo duplo, inspirando as gerações seguintes.
O apelido de também fazia seu jus fora dos palcos. ‘Philthy Animal’ Taylor era conhecido por seu estilo de vida rock & roll e casos bizarros, como quando tocou com a baqueta amarrada em seu braço, pois sua mão estava quebrada.

Se na faixa inicial do disco Bomber, o Motörhead canta que um homem morto não poderá contar histórias, Phil é a prova de que essa frase não se aplica. Seu legado e sua história estão eternizados, como baterista e como pai do thrash metal.
Para finalizar deixo aqui essa homenagem, gravada em 2011, dos cinco fundadores do thrash metal (Slayer, Metallica, Anthrax, Exodus e Megadeth) tocando Overkill. Uma canção que se não existisse, jamais teria mostrado a eles como tocar metal de forma tão rápida e agressiva. E apesar de James Hetfield dedicar a música ao vocalista Lemmy, foi Phil Taylor quem fez essa canção.

+ (21/09/1954 - 11/11/2015) +

Quem usa o Google Plus?

Sobre o Rock em Balboa

Depois de anos de estudo e dedicação à engenharia, percebi que era tudo um grande pé no saco. Joguei as coisas pro ar e fui para a ilha de Balboa (pode procurar no Google, ela existe!). Agora fico deitado na rede e ouço rock o dia todo.

0 comentários :

Postar um comentário