Rush - Clockwork Angels (2012): Eles não conseguem parar de pensar grande!


Já vi algumas músicas (ou até discos inteiros) serem inspiradas em livros, contos, ou poemas. Nesse grupo pode-se citar o caso do Camel, com seu clássico The Snow Goose. Ou até de bandas mais obscuras, como o The Old Man & the Sea.

Mas a outra direção (um disco se transformando em um livro) eu confesso não me recordar de ter visto.

O CAMINHO INVERSO

O Rush, com seus incontáveis anos de estrada, arranjou um fôlego sabe-se lá de onde para fazer algo incrível. Tão incrível que foi capaz de fazer o caminho inverso e transformar-se em um livro.

Soando mais pesado do que o habitual, voltados ao hard rock e quase ignorando suas origens no rock progressivo, os canadenses contam uma bela e triste história, narrada ao longo das suas doze faixas.
Pode-se dizer que Neil Peart, baterista e letrista, esteve mais inspirado do que nunca ao plantar essa ideia.
“O pessoal do Rush tem crédito infinito e poderiam estar de boa, aposentados, dando uns rolês de moto entre o Canadá e os Estados Unidos... E ainda assim decidiram nos brindar com outra obra grandiosa!”

NO MUNDO DE ALBION

Clockwork Angels conta a história do personagem Owen Hardy, que vive em um pacato vilarejo (Barrel Arbor), em um mundo (Albion) aonde tudo é rigorosamente controlado pelo Relojoeiro (um ser supostamente benevolente).

Cheio de sonhos e ambições, Owen parte para aventuras rumo à cidade grande.
Lá, ele deseja conhecer os Anjos Mecânicos (criaturas que dispensam sabedoria para as pessoas) e, quem sabe, poder conhecer o próprio Relojoeiro.

O intrigante é que, apesar desse desejo por mudanças e novos rumos, Owen Hardy é descrito como um cara feliz e satisfeito. É justamente essa característica da personagem que ganha destaque na contracapa do livro: “O melhor lugar para iniciar uma aventura é partir de uma vida sossegada e perfeita... Até que alguém se dá conta de que isso não é o bastante”.
Contracapa do livro, mostrando a caravana (transporte de Albion).

Clockwork Angels não se destaca pelo seu individual. Não há um grande hit ou uma música isoladamente marcante. O forte do álbum está no todo, no conjunto da obra.
É aquele tipo de trabalho que não pode ser apreciado em uma simples audição. Sua alta complexidade nas letras e enredos exige máxima atenção do ouvinte.

EMBARQUE NA CARAVANA

A abertura é com Caravan, e como sugere o nome, conta sobre o inexplicável desejo que Owen tem de partir (“A caravana reluz adiante/ Para o distante sonho da cidade/ Eu não consigo parar de pensar grande”). Até esse momento, Owen tem uma visão pura e romântica sobre o mundo que o cerca.

O romantismo começa a ser deixado de lado com BU2B. Nela, Owen começa a perceber que o mundo não é perfeito, mas ao mesmo tempo seus valores de justiça são mantidos e ressaltados (“Eu fui criado para acreditar/ Tudo é para o melhor/ Alguns serão recompensados”).
Ao mesmo tempo a onipresença do Relojoeiro começa a dar as caras (“Acredite no que é dito/ Até o último suspiro/ Enquanto o amado Relojoeiro/ Nos amará até a morte”).

Na terceira faixa, Clockwork Angels, é explicado o papel dos anjos mecânicos na sociedade.
Basicamente, o objetivo deles é trazer esperança e confiança ao povo. Em paralelo é mostrado trechos em que o Relojoeiro vai conversar (usando um disfarce) com Owen, e tenta convencê-lo a desistir da ideia de conhecer o mundo. A música termina com o Relojoeiro perguntando a Owen: “O que lhe falta?”. Não há resposta...
O que lhe falta? Você saberia responder?

HORA DA AÇÃO

Se não faltava nada para Owen, a partir de The Anarchist a barra começa a pesar para o seu lado.

É apresentado o Anarquista, o vilão da história. Inconformado por não ter sido recompensado como deveria, o Anarquista carrega um grande desejo de vingança em seu interior (“Eu sinto falta dos sorrisos e diamantes/ Sinto falta da felicidade e do amor/ Eu os invejo por tudo isso/ Eu nunca tive a minha parte”).

A vingança do Anarquista é concluída em Carnies. Uma emboscada é preparada, e uma bomba é disparada, destruindo tudo à sua volta e propagando o caos.
No meio da emboscada, Owen é visto com o detonador em suas mãos (“Uma bomba relógio na mão de um inocente/ A multidão move-se em sua direção com más intenções”). E nesse ponto ele se vê obrigado a fugir (“Como eu rezo para sair daqui/ Me leve para qualquer lugar/ Às vezes os anjos nos punem”).

É importante ressaltar que a noção de controle dos anjos mecânicos não é perdida. O protagonista continua buscando forças e justificativas nos seus valores de justiça, e no suposto controle dos anjos.

O AMOR É UMA DOR

Chegamos então ao meio da história, acompanhados por Halo Effect. Trata-se de um ponto mais reflexivo. O amor, até então, não havia sido abordado.
Halo Effect quebra um pouco a linearidade da novela e aborda o assunto.

Owen fala de uma maravilhosa dançarina que ele conheceu, e nela ele projeta a mulher ideal (por meio de um amor até certo ponto obsessivo).
No fim ele sofre com a rejeição e o desprezo da acrobata.

Em uma entrevista, o compositor Neil Peart foi questionado sobre o significado da expressão “halo effect” no contexto, que traduzido literalmente seria algo como “efeito radiante”.
Neil respondeu que “halo effect” é sobre o poder psicológico da beleza. Nós tendemos a projetar nas pessoas belas o que nós queremos acreditar sobre elas, e assim cegando-nos de sua verdadeira natureza.

De fato, “halo effect” é um termo bem comum na psicologia, e pode ser utilizado nas mais diversas áreas (além da afetiva), como na publicidade e economia.
"Halo effect"... Quem nunca foi vítima?

FUJAM PARA AS COLINAS O OESTE

Bem, retornando ao conto de Albion… Afinal, isso não é um álbum romântico.

Após a emboscada e a explosão, Owen foge rumo ao oeste, para uma região em que os trens não conseguem alcançar.
Eis que surge Seven Cities of Gold. Visualizando monumentos sobrenaturais e um frio extremo, o protagonista encontra as cidades que apareciam em seus sonhos (“Sete cidades de ouro/ Histórias que incendiavam na minha imaginação”).

Apesar da beleza, o lugar também é descrito como hostil e perigoso. Trata-se de uma região cheia de oportunidades e problemas (“Um homem pode perder seu passado em um lugar como esse/ Um homem pode perder seu rumo em um lugar como esse”).

Trabalhando em uma cidade portuária, Owen sofre mais um grande golpe. O barco que ele tripulava é vítima de uma grande tempestade. E em The Wreckers é possível notar uma mudança em seus princípios.

No meio da tempestade eles visualizam uma grande luz surgindo da neblina. A tripulação, acreditando que se tratava de um porto, segue a luz para tentar atracar.
Na verdade era uma armadilha.

O barco bate em uma parede de recifes e é saqueado. A partir dessa armadilha, surgem os questionamentos (“Tudo o que eu sei é que às vezes você deve suspeitar/ Quando um milagre é bom demais para ser verdade”).
Todos morrem no acidente, exceto Owen.

É O FIM DA SAGA

A aventura basicamente se encerra por aqui. Agora, depois de ter visto tantas coisas boas e ruins, o personagem volta para um momento mais reflexivo.

Primeiramente ele olha para tudo o que fez (Headlong Flight), e afirma não se arrepender de suas escolhas (“Eu aprendi a lutar, aprendi a amar, aprendi a sentir/ Oh, como eu desejo viver tudo isso de novo”).

Logo depois (BU2B2), a nostalgia fica para trás e resta a consolidação de sua mudança em relação aos seus princípios e valores. Pode-se dizer que ele segue uma linha de raciocínio muito similar à do seu inimigo, o Anarquista. Assim como o antagonista, Owen questiona o equilíbrio e percebe que não teve, nem terá, a sua parte (“A minha crença me derrubou/ A vida vai de mal à pior/ Não há filosofia que me console/ Neste universo mecânico”).

Não há ninguém controlando o universo, nem mesmo o Relojoeiro.
A vida vai de mal a pior...

A VINGANÇA NUNCA É PLENA

Apesar de tudo indicar que Owen se transformaria em um cara vingativo e cruel, como o Anarquista, Wish Them Well mostra justamente o contrário.
Na essência, todos estão vivendo o seu próprio inferno, e a melhor resposta contra os espíritos amargos é se afastar deles e desejá-los sorte, nada mais (“As vítimas nunca aprenderão/ Mesmo os perdidos, só resta desistir”).

Veja, não é uma questão de compreendê-los (como faria um tolo), ou se vingar (como o Anarquista). É uma questão de desprezar, ir embora e seguir em frente.

Por fim, o disco e a história são encerrados de forma magistral com a faixa The Garden. Existe um jardim metafórico, regado pelos atos e atitudes das pessoas. As plantas e flores desse jardim são o amor e o respeito. No fim, é isso que importa. O tempo é cruel e todos envelhecerão (“O ponteiro voa enquanto você sonha, as horas passam e as células se vão/ O Relojoeiro mantém seus planos/ E as horas continuam passando”).

A única retribuição que você terá, será o amor e respeito que você conseguiu acumular em seu jardim (“A medida de uma vida é o amor e o respeito/ Tão difícil de ganhar e tão fácil de perder”).

É O TODO

Se Clockwork Angels talvez sofra um pouco pela falta de uma única grande música capaz de fazer o álbum estourar, o Rush contorna a situação entregando uma obra em que o todo é muito maior do que a soma das partes, exatamente como deveria ser um trabalho conceitual.

E diferentemente de outras bandas que entram no piloto automático após tantos anos de carreira e discos consagrados, o Rush parece disposto a ser muito mais do que um cover de si mesmo.

Thank your stars you're not that way; turn your back and walk away. Don't even pause and ask them why; turn around and say goodbye.

----------------------------------------

FICHA TÉCNICA:
Artista: Rush
Ano: 2012
Álbum: Clockwork Angels
Gênero: Hard Rock / Rock Progressivo
País: Canadá
Integrantes: Alex Lifeson (guitarra), Geddy Lee (vocal e baixo), Neil Peart (bateria).

MÚSICAS:
1 - Caravan
2 - BU2B
3 - Clockwork Angels
4 - The Anarchist
5 - Carnies
6 - Halo Effect
7 - Seven Cities of Gold
8 - The Wreckers
9 - Headlong Flight
10 - BU2B2
11 - Wish Them Well
12 - The Garden



----------------------------------------

<< (2007) Snakes & Arrows N/D >>
Quem usa o Google Plus?

Sobre o Rock em Balboa

Depois de anos de estudo e dedicação à engenharia, percebi que era tudo um grande pé no saco. Joguei as coisas pro ar e fui para a ilha de Balboa (pode procurar no Google, ela existe!). Agora fico deitado na rede e ouço rock o dia todo.

0 comentários :

Postar um comentário